Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

100Nexus

TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

facebook

Liberdade

por migalhas, em 25.04.24

Nela ouso pensar

de sorriso no rosto de quem sabe que quer

ou se permite poder.

 

Com ela me quero deitar

nela me quero depositar

por entre juras e promessas

de dias ao sol, noites ao luar.

 

Parida de um cravo foi, espinho de rosa é.

 

Fez a cama, onde me deitei

deu-me a mão, que aceitei

enfeitiçou-me, e eu deixei.

 

Iludido, apaixonado

fez-me sonhar acordado,

quando o tempo todo assim vivi

apenas e só, enganado.

 

Não lhe vi a outra face

o âmago que é o seu

erro meu, meu enterro

que nela quis acreditar

 

Liberdade, Liberdade

que já nada tens para me dar

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira

Dia Mundial da Mulher

por migalhas, em 08.03.24

femina

 

ela, femina

mãe de todos

deles, delas, das outras mães

carregam a vida, são vida

dão-na, perpetuam a espécie

numa espécie de força avassaladora

nos modos como intentam e se mostram deusas

uma basta por todas, mas todas são o mar inteiro

céu, terra, ar e fogo

que vem lá bem do fundo

de tempos infindos

de peitos sofridos, gargantas roucas

punhos erguidos na luta

nas conquistas, na esperança por outras

nessa mulher que existe em cada um de nós

ela, femina

deusa, nossa mãe.

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2024)

Dia Internacional do Riso

por migalhas, em 18.01.24

Sorrir é uma utopia

 

Sorrir é uma utopia

Sorrir de quê?

Lá piada, tem

Saber que agora estou, agora fui

E o que ficou?

Choros? Lágrimas?

Ou meio-sorrisos de idiotas chapados?

Riem-se de quê?

Olhem-se ao espelho e chorem

Chorem por serem o que são

Uns merdas que nunca dão a mão

Que fingem que sim, mas sempre não

Escarninhos, preconceituosos, mal-amanhados

De educação falhados

Uns tristes fados

 

Por isso chorem, que sorrir é uma farsa

Tal e qual o que criam, ou julgam alcançar

Que daqui seguem viagem

não um, mas todos

de mãos a abanar

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2023)

no fim

por migalhas, em 02.01.24

acabo de morrer

deixei de olhar, de ver

o meu pénis entesa-se na perspectiva de me sobreviver

é dor, é prazer

num duelo de forças que não permite saber

quem sobrevive, quem no fim irá perecer

 

pesado ficou o ar

assim a terra, fogo e mar

deposta a derradeira vontade

num augúrio de imparável mortandade

coisa cortante, matéria nefasta

que a todos arrasta

a todos dilacera, nunca pela metade

sem credo ou idade

qual canto do cisne

capítulo final

assunto encerrado

pena capital

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

desespero

por migalhas, em 29.12.23

desespero

pelo que não vejo, pelo que não sinto

 

desespero

por esta névoa que tudo me oculta

me cala a voz e a visão impede

 

desespero

porque não te entendo, nem quero

porque vivo surdo e mudo e nunca acordado

porque não sinto outro estado que este de viver amarrado

mãos, pés, pensamentos

tantos os tormentos

que em mim habitam enclausurados

 

desespero

pelo que não se vê, não se sente

mas oprime, asfixia

subtrai vida a nascente, vida subtrai a poente

na maré cheia, na maré vazia

sem tréguas ou misericordiosa compaixão

desde a tenra hora, à hora de me unir a este chão

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

Breve

por migalhas, em 27.12.23

Acordei e morri.

Nem um suspiro, um sussurro e faleci.

Um instante, uma efémera memória, foi tudo o que ficou de mim.

E a terra húmida a cobrir-me o corpo nu.

A ver-te partir, vida que nem vivi.

Olhos raiados, cegos, surdos e mudos de tudo aquilo que nunca vi.

Ali especados, incrédulos, a olharem o mundo como só eu o vi.

Que carrego tão leve é este, que nem o senti?

Foi por viver breve?

Que nada, nem ninguém.

Apenas o diabo que me leve.

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

enclausurado

por migalhas, em 30.11.23

por quantos infernos já passei?

enclausurado ao mundo empírico e por ele ignorado

dele repelido como um escravo a que nada é permitido

nesta vida que nos cobra cada registo falhado

em papel timbrado, em folhas repassadas e com elas a história

o tempo que se escoa e eu com ele

de tudo afastado e neste estado omitido

que o nada se interpõe e de mim faz troça

ao que faço faz vista grossa

e cínico no ar espalha a mentira

que repetida aos sete ventos se torna verdade

maior a crueldade

para quem se queria parcela deste mundo

mas nele perdeu quanto tinha

a fé, a esperança, a identidade

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

morte em vida

por migalhas, em 28.11.23

há uma ideia da morte

feita apenas em vida

de que ela nos é devida

como coisa merecida

no fim desta corrida

que um dia nos foi oferecida

 

como a mão da noiva comprometida

a que juramos fidelidade indefinida

como indefinida é a vida

e essa morte prometida

 

como cada passo que nos conduz

de um extremo ao outro desta linha em que avançamos

rumo à luz

que, por fim, alcançamos

às cegas, é certo

que nada é o que julgamos

 

de identidade indefinida

o que faz, faz sem maldade

como coisa merecida por esta vida oferecida

que não escolhe idade

ou tempo de validade

agora e na hora da nossa

seja feita a sua vontade

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

Tempo (in)visível

por migalhas, em 24.11.23

De cada dia existe uma parcela que me escapa

Um par de horas

 

(quase sempre mais, dois pares, talvez até três)

 

que me são omissas, que em permanência não lhes chego sequer a sentir o sabor

São horas que passam na minha ausência, mas que contam tanto como as outras no acumular de todas as que um dia se me irão somar

 

Horas que se adicionam às de uma vida, mas que as não vejo ou sinto como horas

São quase sempre horas nocturnas, horas adormecidas em que também eu me embalo rumo ao paralelo mundo dos sonhos

Nessas horas é o silêncio quem ergue a sua voz e do alto da sua solenidade acrescenta tempo ao tempo que me perfaz

 

E quando acordo

 

(na manhã seguinte a essas horas que nem as vivi, sequer senti, apenas se perfizeram porque são essas as suas ordens)

 

sou eu mais essas horas por companhia, por sombra que me segue e acompanha e acrescenta camadas de tempo ao tempo que já somei, bem cimentadas na pessoa que sou e de que só as rugas e toda a degradação deste meu ser

 

(que são consequência sua)

 

me fazem saber que passaram por mim

 

(também elas passaram por mim)

 

mesmo sem lhes ter chegado a sentir o sabor

um leve trago desse existir amargo

que me soma tempo sem permissão

que me acelera o passo para o outro lado

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

tempo incessante

por migalhas, em 22.11.23

e o eléctrico?

ao longo do corredor de carris em ferro

fazendo deslizar o todo das almas

e nesse percurso escoando quantas memórias jamais perdidas

a espaços eternizadas no momento

naquele momento vidrado de quem olha pelo espaço que se retrata na paisagem e por ele deambula

encantado

tão encantado quanto tudo o que é vida e movimento que se perpétua na raiz de quanto ainda está para ser

em breve futuro feito presente

presente feito passado.

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)