TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

20
Abr 16

oculta150316.jpg

 

Héctor Abad Faciolince, escritor colombiano, tem livro novo e concedeu uma entrevista aquando da sua passagem pelas Correntes d’ Escritas, na Póvoa de Varzim, que pode ser lida aqui: http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=816387#

 

Quanto a "Oculta", o seu mais recente romance, tem como cenário o Sudoeste de Antioquia (Colômbia), recorre à história de uma família e da colonização, narrando momentos de uma violência sem fim. A origem deste romance é uma propriedade que era dos seus bisavôs, quase inacessível, nas montanhas; um local que conhece desde a infância e que continua a visitar. Lá, encontra-se um lago, Oculta, pertença de uns primos seus. Foram estes que lhe contaram episódios que ali aconteceram, os afogados naquele lago, os grupos guerrilheiros e paramilitares que actuavam lá. Falaram-lhe dos cavalos, dos pássaros, das cores, do que comiam, testemunhos que o inspiraram a escrever este romance. Um exercício de memória sobre uma terra inóspita e amotinada.

publicado por migalhas às 11:30

03
Dez 13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre "Somos o esquecimento que seremos", de Héctor Abad Faciolince.

 

"Somos o Esquecimento que Seremos" é antes de tudo um excelente título. Uma constatação com que raras vezes nos confrontamos, pois andamos sempre demasiadamente ocupados em querer ser algo que nos evite cair no esquecimento que, efectiva e fatalmente, um dia seremos. Quanto ao "miolo" em si, estamos perante uma descrição apaixonada de um filho por um pai que admirou e ainda hoje lhe é referência na vida que leva e de que muito se orgulha. Trata-se de uma manta de muitas recordações, que anos a fio estiveram guardadas à espera do momento de serem reveladas, momento a partir do qual despoleta todo um incrível conjunto de sentimentos que nos agarram pelos colarinhos e nos sugam literalmente para o interior desta obra ímpar. Mas se por um lado partilhamos dos medos, raivas e anseios que estiveram sempre presentes na vida do autor enquanto o seu pai, o médico Héctor Abad Goméz, foi um activo e irredutível militante na defesa da igualdade e dos direitos humanos, por outro lado vamo-nos apercebendo de toda a humanidade, paixão - quer pela família quer pelo povo colombiano carenciado e subjugado à força imposta pelo regime - e coragem postas em cada acção que, contra tudo e contra todos, este exemplar ser humano sempre tentou levar a bom porto, mesmo sabendo-se num ambiente marcado por um regime autoritário e militarista, quantas vezes alheio aos genuínos interesses e preocupações da população que acerrimamente Abad Goméz defendia.

Encontrei neste livro uma das mais belas e sentidas homenagens que podem ser feitas a um pai. Toda a ternura, paixão, respeito, consideração, transparecem para cada página de forma genuína, fluida e sem espartilhos de qualquer espécie. E o que mais me marcou, finda esta maratona que tanto deve ter custado a correr ao autor face a tudo o que lhe relembrou, foi a ausência de um ódio marcado, que até seria compreensível, face a quem ordenou e mandou assassinar o seu pai, certo dia em pleno centro de Medellín. Um exemplo, até neste particular.

publicado por migalhas às 21:46

Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO