Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

100Nexus

TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

facebook

Dia do Livro Português

por migalhas, em 26.03.24

frágeis passos, negros hábitos - poemário 1

"Os primeiros passos numa área tão sensível e complexa como a poesia só podiam ser frágeis.
O olhar, intimista.
O registo, o tom, vezes sem conta negros, como os hábitos de quem vive constantemente questionando-se sobre o porquê de assim ser, de assim estar.
As palavras, soltas, sem freio ou receio do que possam consigo carregar.
Tudo aqui exposto, perante o vosso olhar."

Abril de 2011

 

Corria o ano de 2011, quando me decidi a editar esta minha primeira aventura pelo mundo da poesia.

Edição de autor, da capa ao miolo, por estas páginas dava a minha entrada naquele que viria a ser um dos meus mundos predilectos para habitar.

Hoje, Dia do Livro Português, lembrei-me de o recordar e de o sugerir, a quem aprecie este género literário e de arte, por que não dizê-lo.

Deixo aqui as indicações para quem o queira adquirir, o que, desde já, agradeço.

https://www.bubok.pt/ventasrrss/index/3564

Boas leituras!

no fim

por migalhas, em 02.01.24

acabo de morrer

deixei de olhar, de ver

o meu pénis entesa-se na perspectiva de me sobreviver

é dor, é prazer

num duelo de forças que não permite saber

quem sobrevive, quem no fim irá perecer

 

pesado ficou o ar

assim a terra, fogo e mar

deposta a derradeira vontade

num augúrio de imparável mortandade

coisa cortante, matéria nefasta

que a todos arrasta

a todos dilacera, nunca pela metade

sem credo ou idade

qual canto do cisne

capítulo final

assunto encerrado

pena capital

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

Breve

por migalhas, em 27.12.23

Acordei e morri.

Nem um suspiro, um sussurro e faleci.

Um instante, uma efémera memória, foi tudo o que ficou de mim.

E a terra húmida a cobrir-me o corpo nu.

A ver-te partir, vida que nem vivi.

Olhos raiados, cegos, surdos e mudos de tudo aquilo que nunca vi.

Ali especados, incrédulos, a olharem o mundo como só eu o vi.

Que carrego tão leve é este, que nem o senti?

Foi por viver breve?

Que nada, nem ninguém.

Apenas o diabo que me leve.

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

enclausurado

por migalhas, em 30.11.23

por quantos infernos já passei?

enclausurado ao mundo empírico e por ele ignorado

dele repelido como um escravo a que nada é permitido

nesta vida que nos cobra cada registo falhado

em papel timbrado, em folhas repassadas e com elas a história

o tempo que se escoa e eu com ele

de tudo afastado e neste estado omitido

que o nada se interpõe e de mim faz troça

ao que faço faz vista grossa

e cínico no ar espalha a mentira

que repetida aos sete ventos se torna verdade

maior a crueldade

para quem se queria parcela deste mundo

mas nele perdeu quanto tinha

a fé, a esperança, a identidade

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

morte em vida

por migalhas, em 28.11.23

há uma ideia da morte

feita apenas em vida

de que ela nos é devida

como coisa merecida

no fim desta corrida

que um dia nos foi oferecida

 

como a mão da noiva comprometida

a que juramos fidelidade indefinida

como indefinida é a vida

e essa morte prometida

 

como cada passo que nos conduz

de um extremo ao outro desta linha em que avançamos

rumo à luz

que, por fim, alcançamos

às cegas, é certo

que nada é o que julgamos

 

de identidade indefinida

o que faz, faz sem maldade

como coisa merecida por esta vida oferecida

que não escolhe idade

ou tempo de validade

agora e na hora da nossa

seja feita a sua vontade

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

Tempo (in)visível

por migalhas, em 24.11.23

De cada dia existe uma parcela que me escapa

Um par de horas

 

(quase sempre mais, dois pares, talvez até três)

 

que me são omissas, que em permanência não lhes chego sequer a sentir o sabor

São horas que passam na minha ausência, mas que contam tanto como as outras no acumular de todas as que um dia se me irão somar

 

Horas que se adicionam às de uma vida, mas que as não vejo ou sinto como horas

São quase sempre horas nocturnas, horas adormecidas em que também eu me embalo rumo ao paralelo mundo dos sonhos

Nessas horas é o silêncio quem ergue a sua voz e do alto da sua solenidade acrescenta tempo ao tempo que me perfaz

 

E quando acordo

 

(na manhã seguinte a essas horas que nem as vivi, sequer senti, apenas se perfizeram porque são essas as suas ordens)

 

sou eu mais essas horas por companhia, por sombra que me segue e acompanha e acrescenta camadas de tempo ao tempo que já somei, bem cimentadas na pessoa que sou e de que só as rugas e toda a degradação deste meu ser

 

(que são consequência sua)

 

me fazem saber que passaram por mim

 

(também elas passaram por mim)

 

mesmo sem lhes ter chegado a sentir o sabor

um leve trago desse existir amargo

que me soma tempo sem permissão

que me acelera o passo para o outro lado

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

tempo incessante

por migalhas, em 22.11.23

e o eléctrico?

ao longo do corredor de carris em ferro

fazendo deslizar o todo das almas

e nesse percurso escoando quantas memórias jamais perdidas

a espaços eternizadas no momento

naquele momento vidrado de quem olha pelo espaço que se retrata na paisagem e por ele deambula

encantado

tão encantado quanto tudo o que é vida e movimento que se perpétua na raiz de quanto ainda está para ser

em breve futuro feito presente

presente feito passado.

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

o par vive de DOIS e ser ímpar é ser sozinho

por migalhas, em 21.11.23

ensaio

tempo sem senso

por migalhas, em 20.11.23

são parcelas de um tempo que se esvai

num tom particular, comum a todos

que um só olhar nunca diz tudo

nem voz alguma perdura, sequer se instala

como uma lenda ou mito ambíguo

que de concreto nada fala

num espaço que se crê contínuo

confinado a esta pequena mala

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

Smart Home Camera

por migalhas, em 12.09.23

Smart Home Camera

 

Do nada, a campainha toca. Desloco-me ao vídeo porteiro, olho o écran e vejo que é o carteiro. Abro-lhe a porta e ele sobe de elevador ao meu andar. Espero-o à entrada do meu apartamento. Trocamos galhardetes, ele fica com o meu primeiro e último nome e eu com a encomenda que esperava ansiosamente. Despedimo-nos e confirmo que chegou a minha Smart Home Camera. Awesome! A leitura das instruções é rápida, pois é simples, hoje em dia, colocar a trabalhar um dispositivo destes. É pequena, portátil, leve como uma pena, 220 gramas, incrível! Encomendei-a para poder ver o gato, enquanto estou fora. Vamos a isso! É só ligar à corrente e imediatamente acende uma luz vermelha. Está on. Tem uma visão de 360º, vou ter tudo debaixo de olho. Descarrego e instalo a app que a vai controlar à distância e mostrar-me no telemóvel cada movimento do Simão. Sim, por que também tem detector de movimento. Coloco a câmara no spot que melhor cobre a área que pretendo captar e lá estou eu, ali ao fundo, a mexer no telemóvel. Daqui, do telemóvel, vejo-me ali, captado pela câmara. Aceno para a câmara e sinto-me duplicado. Experimento o comando que permite a rotação da câmara. Perfaz na perfeição o que promete, 360º. Vou ter mesmo tudo debaixo de olho. Volto à posição inicial e lá estou eu de novo, no mesmíssimo lugar, a olhar o telemóvel. É estranho, ver-me ali, daqui. E mais estranho ainda, estar a acenar de novo. Mas não eu aqui, aquele eu ali. Sem tirar os olhos do telemóvel, aquele eu ali, no écran do meu telemóvel, acena-me, lá ao fundo. Faço um zoom com os dedos indicador e polegar e sou mesmo eu, não há dúvida. Pode ter sido a imagem que congelou ou que a câmara tenha gravado. Continua a acenar-me, sem desviar os olhos do telemóvel. Eu olho directamente para a câmara, lá ao fundo, que, supostamente, está a gravar-me. Volto a olhar o telemóvel e agora eu saí de cena. Já não estou a olhar o telemóvel e a gerir os comandos da app. O telemóvel cai no chão. No écran, repousa aquilo que a câmara estava a captar. Atraído pelo som, o Simão aparece, vindo lá do quarto, e mia. Cheira o telemóvel e eu posso vê-lo, o enorme focinho encostado à câmara. O telemóvel hiberna, o écran faz-se negro e eu, desapareço para sempre.

 

FIM

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2023)