Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

100Nexus

TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

facebook

tempo incessante

por migalhas, em 22.11.23

e o eléctrico?

ao longo do corredor de carris em ferro

fazendo deslizar o todo das almas

e nesse percurso escoando quantas memórias jamais perdidas

a espaços eternizadas no momento

naquele momento vidrado de quem olha pelo espaço que se retrata na paisagem e por ele deambula

encantado

tão encantado quanto tudo o que é vida e movimento que se perpétua na raiz de quanto ainda está para ser

em breve futuro feito presente

presente feito passado.

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

o par vive de DOIS e ser ímpar é ser sozinho

por migalhas, em 21.11.23

ensaio

tempo sem senso

por migalhas, em 20.11.23

são parcelas de um tempo que se esvai

num tom particular, comum a todos

que um só olhar nunca diz tudo

nem voz alguma perdura, sequer se instala

como uma lenda ou mito ambíguo

que de concreto nada fala

num espaço que se crê contínuo

confinado a esta pequena mala

 

© Copyright Miguel Santos Teixeira (2013)

terra nenhuma

por migalhas, em 09.11.23

terranenhuma.jpg

tardiamente

por migalhas, em 07.11.23

tardiamente.jpg

reais horrores

por migalhas, em 03.11.23

reaishorrores.jpg

Booker Prize 2023 - shortlist

por migalhas, em 28.09.23

Spine on Angle_Style 1_Marble 2_teaser.jpg

Está anunciada a shortlist da edição deste ano do Booker Prize.

A cerimónia final está agendada para o dia 26 de Novembro, na qual ficaremos a saber quem será o autor, e o respectivo livro, vencedor, que consigo levará a módica quantia de 50 000 libras, qualquer coisa como 57 783,63€.

Tudo sobre este incontornável prémio literário, aqui: https://thebookerprizes.com/the-booker-library/prize-years/2023

Boas leituras

Smart Home Camera

por migalhas, em 12.09.23

Smart Home Camera

 

Do nada, a campainha toca. Desloco-me ao vídeo porteiro, olho o écran e vejo que é o carteiro. Abro-lhe a porta e ele sobe de elevador ao meu andar. Espero-o à entrada do meu apartamento. Trocamos galhardetes, ele fica com o meu primeiro e último nome e eu com a encomenda que esperava ansiosamente. Despedimo-nos e confirmo que chegou a minha Smart Home Camera. Awesome! A leitura das instruções é rápida, pois é simples, hoje em dia, colocar a trabalhar um dispositivo destes. É pequena, portátil, leve como uma pena, 220 gramas, incrível! Encomendei-a para poder ver o gato, enquanto estou fora. Vamos a isso! É só ligar à corrente e imediatamente acende uma luz vermelha. Está on. Tem uma visão de 360º, vou ter tudo debaixo de olho. Descarrego e instalo a app que a vai controlar à distância e mostrar-me no telemóvel cada movimento do Simão. Sim, por que também tem detector de movimento. Coloco a câmara no spot que melhor cobre a área que pretendo captar e lá estou eu, ali ao fundo, a mexer no telemóvel. Daqui, do telemóvel, vejo-me ali, captado pela câmara. Aceno para a câmara e sinto-me duplicado. Experimento o comando que permite a rotação da câmara. Perfaz na perfeição o que promete, 360º. Vou ter mesmo tudo debaixo de olho. Volto à posição inicial e lá estou eu de novo, no mesmíssimo lugar, a olhar o telemóvel. É estranho, ver-me ali, daqui. E mais estranho ainda, estar a acenar de novo. Mas não eu aqui, aquele eu ali. Sem tirar os olhos do telemóvel, aquele eu ali, no écran do meu telemóvel, acena-me, lá ao fundo. Faço um zoom com os dedos indicador e polegar e sou mesmo eu, não há dúvida. Pode ter sido a imagem que congelou ou que a câmara tenha gravado. Continua a acenar-me, sem desviar os olhos do telemóvel. Eu olho directamente para a câmara, lá ao fundo, que, supostamente, está a gravar-me. Volto a olhar o telemóvel e agora eu saí de cena. Já não estou a olhar o telemóvel e a gerir os comandos da app. O telemóvel cai no chão. No écran, repousa aquilo que a câmara estava a captar. Atraído pelo som, o Simão aparece, vindo lá do quarto, e mia. Cheira o telemóvel e eu posso vê-lo, o enorme focinho encostado à câmara. O telemóvel hiberna, o écran faz-se negro e eu, desapareço para sempre.

 

FIM

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2023)

A cabana

por migalhas, em 07.09.23

A cabana

 

Isolados naquela remota cabana de montanha, pai e filha desfrutam de um tempo de calma e sossego, só ali possível.

Lá fora, anoitece ao ritmo de uma suave brisa.

Lá dentro, reina o silêncio. Apenas interrompido pelo abrir de uma porta.

Na sala, trabalhando no seu último livro, o pai é surpreendido pela presença da filha. Esta olha-o de cima, enterrado no sofá, para lhe dizer:

- Pai, a porta do meu quarto abriu-se de repente. E já não é a primeira vez que acontece.

O pai, fixando-lhe os olhos, responde-lhe:

- Estou a ver que não te contaram a lenda que por aí corre sobre esta cabana.

- Lenda?

- Sim, dizem que é habitada por estranhos seres que assumem a figura de pessoas que nos são conhecidas.

- Conhecidas? Como assim?

- Por exemplo, no nosso caso, poderiam fazer-se passar por mim, teu pai.

A filha mais não disse.

O seu breve grito desesperado ecoou pela sombria montanha, rapidamente consumido por esta. Uma súbita rajada de vento varreu as frondosas copas das árvores, como numa dança de celebração. E o silêncio voltou a abater-se sobre a cabana. De novo esventrada de outros seres que não aqueles que, por diversão, se alimentam das incautas pessoas que ali vão à procura de calma e sossego. 

 

FIM

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2023)

é o mar

por migalhas, em 27.07.23

olhei um dia o mar

com tal fulgor dele me abeirei

senti-lhe a chama, sugou-me a alma

imenso aroma de quem me ama

 

o seu cerne eu violei

no seu âmago me encontrei

tudo o que é imenso ele contém

capa, miolo, errata

paixão eterna, eterno desdém

 

olhei um dia o mar

infinita carapaça que banha este lugar

reticência constante do meu olhar

aqui onde existe também terra e céu

um quarto de esperança, uma sala com vista

as faces da lua

 

mas é o mar

esse espelho que me acolhe e me devolve

num reflexo sem par

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2013)