TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

26
Jul 07

No labirinto em que me movo

Guiado pela vontade em o contornar

Sabê-lo dominado e dele não mais ouvir falar

Faço minhas algumas palavras

De quem dele se abeirou e tomando-lhe o pulso

Soube que era imenso, difícil de imaginar

 

Perdi o norte, não sei as horas

Nem que parte do dia me abraça

Sei que sou eu mesmo, ainda que alterado

Uma amálgama de gente feita

Um ser cansado, por demais cansado

E à vida brava fatalmente algemado

 

Tendo a ser uno com cada dia

Pois deles depende a minha insanidade moribunda

Fugaz a existência

A aparência do que se supõe real mas que de real pouco tem

Parece que é mas não é

Como aos poucos se entende, ou talvez não

 

Somos um, somos muitos, bravos heróis

Lançados à fera que é esta estada

Esta permanência por parte sempre incerta

Como incerta é a hora que passa

Sem rumo definido, nem caminho traçado

 

Resta a espera

Infinita espera

Por quê?

Existe razão?

De que dependo, dependemos

Para ser, sermos

Um, todos, reais heróis de um mundo a vibrar por nós

 

Hoje tudo se confunde

Por que tarda a resposta

Atrasada, como sempre

Mas que não se confunda

Resposta concreta com semelhança profunda

Pois ser não é parecer

E é dessa garantia que tudo depende

Inclusive eu, nós, quantos se aventuram a viver

E esse imenso labirinto tentar perceber

publicado por migalhas às 11:36

Bonito. Gostei. Dá q pensar.
Ana a 30 de Julho de 2007 às 17:45

Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

15
18
21

22
23
25
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO