Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

100Nexus

TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

facebook

Rio abaixo

por migalhas, em 30.06.23

Casca de noz

Numa dessas, rio abaixo

Sigo eu, ao sabor de quantas correntes o formam

O entroncam e lhe conferem vitalidade

Ele, tão mais volumoso

Caudal decidido, impetuoso

E eu, tão à deriva

Sem norte, nem sorte

A depender-lhe da vontade

De me ver adiante ou a seus pés sufocado

Que nem ser assustado

Que nem humano castigado

A si subjugado

 

© Copyright Migalhas (2016)

Nós por cá

por migalhas, em 23.06.23

Olhar

Atento

Mundo

Imenso

 

Lançados estão os dados

Roda a esfera, esta esfera, num mar de muitas

Infinitas possibilidades, num avassalador desconhecido

Que nada se repete, tudo se transforma

Corpo e alma

Fogo e gelo

 

Que há um tempo

este

Mas o espaço

Aquela vastidão

 

E nós, nesta redoma

Que nos molda

E tolda

Sem fim

Assim

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2014)

ao longe

por migalhas, em 20.06.23

ruínas habitam-me o peito

destroços esquecidos do que um dia foi pedra de toque a cada nova aurora

hoje pedra fria que apenas chora

 

naufraguei, a certa altura da vida

não sei quando, nem porquê

apenas que não saro esta ferida

que profunda se sente, pior se vê

 

ao longe olho o mar e invejo o seu respirar

mais longe ainda procuro um ponto onde me ausentar

não que sossegue ou apazigue este sofrer em mim encarnado

mas deixa entreaberta a porta que me há-de ser a fuga

quem sabe a cura

para esta loucura

que se contorce, geme e queixa

e a reboque da sua dor leva a minha

e sem consolo a deixa

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2013)

já nada importa

por migalhas, em 16.06.23

aqui ao lado mora a devastação

parida de um vórtice de morte

que antes essa que tal sorte

a de existir esventrado de alma, de coração 

 

são cinzas de um incenso vertido ao mar

num negrume que nada augura de bom

são corvos que esvoaçam a sua dor

nas costas de um tempo devedor

 

são grãos sem vida desta terra esbatida

num clamor de aridez que já nada ostenta

tudo aqui jaz nesta roupa encardida

que o que brotou vivaz já não se sustenta

 

o mar afogou-se em mágoas

em tom defunto quedou-se o céu

toda a natureza sossega agora morta

aqui, onde já nada nem ninguém

ou coisa alguma ainda importa

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2013)

Cormac McCarthy. O brilho sombrio de um poeta lírico do horror e do caos.

por migalhas, em 14.06.23

Captura de ecrã 2023-06-15, às 18.28.25.png

 

Nenhum outro romancista moderno era tão apegado ao sublime apocalíptico quanto Cormac McCarthy, que morreu aos 89 anos em sua casa no Novo México. Ao longo de uma carreira na ficção, que gerou 12 romances, duas peças de teatro e uma série de excelentes adaptações para o cinema, a musa de McCarthy sempre foi o abismo. Ele escreveu sobre a escuridão, a violência, o horror e o caos que percebeu no centro de toda a criação – não com o terror histérico de HP Lovecraft, mas com um lirismo extático mais parecido com o de poetas místicos muçulmanos louvando arrebatadamente seus santos amados.

- in theguardian.com

 

Citando-me_parte8

por migalhas, em 12.06.23

CitAcção8.jpg

tu sempre foste

por migalhas, em 09.06.23

tu sempre foste.jpg

Citando-me_parte7

por migalhas, em 06.06.23

CitAcção7.jpg

eu perdido e a criança

por migalhas, em 01.06.23

É a civilização quem ordena erguer cidades, exige derrubar árvores.

É ela quem estende viscosos tentáculos até onde o vento se sente escassear.

Espreito esta nesga de tempo enquanto posso

e nela refugio o olhar cansado que ainda consigo.

Aqui estou perdido.

Eu e a mente por onde ecoam as vozes, tantas quantas as perdidas, como eu

distante que nem os passos todos que pudesse ainda dar

este tempo fez-se tempo passado

filho bastardo de um rumo há muito também perdido

que da vida já nem sinal.

“Mas não faz mal, pois não?”

Na inocência de quem é criança e nunca deveria deixar de o ser.

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2011)