Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

100Nexus

TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

facebook

Citando-me_parte6

por migalhas, em 30.05.23

CitAcção6.jpg

mundo imundo

por migalhas, em 26.05.23

mundo imundo.jpg

Citando-me_parte5

por migalhas, em 24.05.23

CitAcção5.jpg

Autor valente e imortal

por migalhas, em 22.05.23

Antes a nação, hoje é o autor que nela habita e labuta que é valente e imortal.

Com o seu empenho e constante garra, alimenta uma identidade que se foi perdendo, esmorecendo e ditando um rumo que ele contraria, pois não se concebe morrer na praia.

Cria, grita, eleva-se, mas não se ilude: sobrevive.

Portugal, antes grande e exportador, é hoje invadido por quem vem de fora, pouco se importando com o muito que importa.

Mas a guerrilha fazemo-la nós, uma vez que a guerra é contra a nossa voz.

Há uma identidade, existe uma vontade, de voltar a erguer a bandeira e com ela cerrar fileiras, a viva voz gritando:

Somos nós, temos nós e só nós o podemos. Juntos, como autores desta mudança. Que uma nação, antes valente e imortal, não se queda às mãos da incompetência, da vergonha, da falsidade.

Que uma nação, antes valente e imortal, vive e alimenta-se daqueles que pela arte lutam, pela cultura se esforçam, pela criatividade vivem.

Longa e próspera vida ao autor português!

ser medonho

por migalhas, em 19.05.23

ser medonho.jpg

Citando-me_parte4

por migalhas, em 17.05.23

CitAcção4.jpg

E se

por migalhas, em 15.05.23

e se.jpg

© Copyright Migalhas (2014)

Desalento

por migalhas, em 12.05.23

desalento (2).jpg

© Copyright Migalhas (2014)

Duas mãos, quase nada

por migalhas, em 10.05.23

Duas mãos não chegam

Não chegam para ti

Não chegam para te chegar

Não chegam para o que quero alcançar

 

Duas mãos o que são?

Senão um enorme espaço confinado

Quilómetros de estradas num beco

Todos os oceanos num copo

Centos de páginas num parágrafo

 

Tão nada, tão pouco

Duas mãos

 

Não dá assim, é escasso

Por mais que estique este braço

Só ganha espaço esta distância

E a vê-la cresço em ânsia

Impotente, de mãos atado

            e então em duas mãos

 

Duas mãos não chegam

Nada chega

Tudo também não

No fim é como tudo

Como tudo tende a ser

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2020)

Por acaso

por migalhas, em 08.05.23

Por acaso, vinha aqui a passar, entrei.

Vi ali um canto obscuro e nele me deitei.

Descansei mal, a noite passada.

Entre trapos e cartões, e por isso não foi fácil adormecer.

Nem sonhei, tanto o que tinha para dormir.

Mas acordei, isso sim.

Nem refeito nem satisfeito.

Apenas obedeci ao descerrar das pálpebras, ao erguer do corpo, ao mecanismo tantas vezes repetido de sair em passo apressado, pois espaço privado havia, uma vez mais, ocupado.

Saí, olhei em redor e, como apareci, fiz-me de novo ausente.

Por acaso.

Eu, entre tanta gente.

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2023)

Pág. 1/2