TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

17
Jan 12

pendentes

de onde provém essa delicada ternura

essa centelha de doce melancolia que esbarra no âmago deste meu ser

que consternado se deita e sonha

qual renegado agastado

qual despojado dos seus bens, do seu mais que tudo

dessa vida de faz de conta, de parece que vai ser e depois

e depois demora

a acontecer, a fazer crer que se ergue titânico empreendimento e depois

e depois demora

faz-se tarde a hora em que se deseja tudo

se pode tudo

se exige tudo

e um nada arrepiante

um passo adiante para dois sem norte

que esta espera é pior que a da morte

na ânsia desmedida de quem já só grita e desespera

que esta espera não é proveitosa

antes uma facada contundente

neste emergente coração pendente

assim sempre, sempre

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2012)

publicado por migalhas às 19:35

Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO