Terça-feira, 30 de Junho de 2009

Que paredes nos separam, a cada um?

Que barreiras se interpõem e nos escondem?

Que fronteira se demarca, nos demarca?

Arame farpado que nos alerta para a invasão, quase sempre de propriedade alheia

na privacidade onde se espelha o nosso íntimo, onde somos o que não ousamos fora dessas quatro paredes que nos ocultam ao mundo

aos olhares curiosos de quem se quer intrometer, sabendo o que faço, digo, ouso, no recanto do meu espaço fechado, ao mundo fechado

Como pode um simples muro delimitar-me a actuação?

Condicionar-me um estado que nesse instante é o genuíno?

Entre portas, uma porta, quantas vezes

ou quantas me permitam o ser e estar alheio ao redor comum de quantos olhares curiosos e perscrutadores de algo mais

um biombo

uma simples linha desenhada no chão de terra, no chão de areia, no chão de cascalho

a perfazer um círculo perfeito

 

(vácuo alheio ao exterior, imune às infecções que daí se propagam, letais vírus, estirpes fatais

 

onde me incluo e daí passo a existir, morto ao mundo

esse mesmo onde

 

(por entre janelas cerradas, por entre cortinas ao de leve desviadas

 

se espiam as vidas que de alheias nada

antes modelos deturpados, enganosos, pois fictícios na sua génese

genuína apenas entre muros, entre portas, nunca aos olhos de quantos apenas vêem o que desejam, o que anseiam

para seu gáudio, para seu alimento



publicado por migalhas às 23:17
Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

Rodopiam vivas no tremor desta mão, a lançar charme neste estado que é paixão.
Ateiam fogos, apelam ao coração, são arma mortífera que despedaça a ilusão.
No encanto do que são, movem mundos, governam nações, são a extensão do homem que se quer eternizar, num legado enorme que só ele sonha deixar.
São feridas abertas que não saram não, qual amor louco que não encontra troco, na traição que o espezinha a pouco e pouco.

Não existe o que se lhes compare
coisa rara que do nada se ergue
na força do que é mais bravo
na fúria do que é mais poderoso
impensável na sua candura
inquietante a serenidade
cada uma é pão e é água e é sol
poente, nascente
é a alma de toda a gente.



publicado por migalhas às 00:07
Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

que feito maior que a descoberta do que somos, de que somos
se ontem as mãos, hoje os pés
amanhã a tomada de consciência de quem somos
para uma vida inteira a tentar saber porque o somos e o que nos permite tal

nada se lhe compara
na tamanha importância, na imensa revelação
que é concluir a essência da nossa essência
deste animal que é racional e por isso tão mais estrutural
e como se estrutura e porquê

sabermo-nos, descodificarmo-nos, entendermos a razão daquilo que somos feitos
seja matéria ou coisa etérea, qual alma ou consciência
ganha a forma de uma vitória
de batalhas sucessivas que por entre danos colaterais terá sempre o propósito último de ganhar essa guerra avassaladora
a mesma que um dia iremos usar como bandeira que nos conduza mais além
a outras descobertas então exteriores ao nosso ser, alheias ao nosso código genético
que nos valide enquanto perscrutadores do mundo que nos rodeia e tanto aflige
por pura ignorância de quem não entende a ordem natural das coisas

e então sim, autorizados moralmente a seguir adiante rumo ao capítulo seguinte e ao seguinte e por aí adiante
até senhores do todo global

do que somos, de que somos, por que o somos, do que nos permite que assim sejamos
na esperança de um dia merecermos a veleidade, hoje arrogante, de querermos descortinar o que nos está adiante, qual nirvana que no seu propósito profundo nos coloque em sintonia com tudo aquilo que nos rodeia e que tanto receamos, ainda receamos, por pura ignorância de quem não entende a ordem natural das coisas



publicado por migalhas às 22:39
Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

Que buscam as palavras por mim?
Que falam elas que não é da minha boca?
Que geram as palavras que são minhas mas que não saem da minha boca?
Encantados seres que buscam o que apenas me atrevo a pensar?

 

Assim sou palavras, por todo

a minha essência, núcleo do meu ser, epicentro da minha vontade.

 

Elas, e só elas, que querem, podem e em mim mandam, no meu querer.
Seu escravo sou, a minha carne são, o meu cerne.

 

Elas, e só elas, ousam falar o que eu apenas imagino

e cada discurso sou eu feito nelas

                                                     (mas sem me saírem da boca para fora

involuntárias no meu desejo de me concretizar nelas

no que só elas ousam dizer

que eu jamais

da boca para fora.



publicado por migalhas às 22:32
Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

(...) Toda a vida é achar-se dentro da «circunstância» ou mundo. Porque este é o sentido originário da ideia (mundo). Mundo é o repertório das nossas possibilidades vitais. Não é, pois, algo à parte e alheio à nossa vida, mas que é a sua autêntica periferia. Representa o que podemos ser; portanto, a nossa potencialidade vital. Esta tem de se concretizar para se realizar, ou, dito de outra maneira, chegamos a ser só uma parte mínima do que poderíamos ser. Daí que nos parece o mundo uma coisa tão enorme, e nós, dentro dele, uma coisa tão pequena. O mundo ou a nossa vida possível é sempre mais que o nosso destino ou vida efectiva.

 

Ortega y Gasset, in 'A Rebelião das Massas'



publicado por migalhas às 22:22
Terça-feira, 16 de Junho de 2009

não há uma intenção
apenas ao correr da pena
o deixar andar a ver no que dá
alguma coisa há-de surgir, algo acontecer
sempre assim foi, porquê dramatizar
se tudo parasse e se mantivesse assim, estático, por tempo indefinido, algo se ergueria
do nada, da inércia, a crescer sem freios num ritmo novo, num ritmo alheado de quantos espartilhos
e a primeira alvorada num mundo renovado, há tanto necessitado de se purgar
numa sensualidade que sobre si atrai olhares igualmente despidos, como vieram ao mundo, este novo
olhares postos num recomeço que porá tudo a zeros e daí nova génese

a querer-se parado e morto no tempo, apenas e só o progresso aberrante
essa obra desfigurada como desfigurado foi o homem que a criou
e nesse processo se suicidou, perdendo o norte e com ele a humanidade que lhe era distinção na família animal

Não pare tudo, não pare agora, e a humanidade canibalizada será pela sua gémea perdida, subjugada aos pés dessa lenda que um dia foi sustento de um mundo levado à exaustão e então moribundo, até se ver renascido de uma pausa sem intenção
apenas ao correr da pena
a deixar andar a ver no que dá



publicado por migalhas às 22:39
Terça-feira, 02 de Junho de 2009

Que olhar posso eu ter, se olho em redor e não me revejo no que vi?
Se cada dia é passado, se cada acto estafado?
Um olhar de quem não vê, nada vê, mas dá a entender que sim.
O patético que pactua com a ordem reinante.
Que falha à verdade em nome de uma grosseira irmandade.
Isso é o que salta à vista.
Isso de fugir à integridade em nome da fácil aceitação da sociedade.
A troco de quê?
Que tudo tem um preço, nem que seja o de viver azoado.



publicado por migalhas às 00:16
Segunda-feira, 01 de Junho de 2009

que martírio maior que saber que no seu dia ela lá e eu aqui
fechado, trancado, o coração destroçado de a saber logo ali e eu aqui
sem nada que o justifique, apenas a obrigação estúpida de marcar presença
fantasma, que ninguém me vê, sequer me ouve
e ela lá, a aguardar que eu lhe surja de rompante, cumprindo uma promessa que na sua cabeça se perfez então, quando incapaz de a confrontar com a impossibilidade lhe vi nos olhos cintilantes a esperança que para si era tudo
e eu doente, o coração dormente, a sofrer de partido, sabendo que não poderia dar-lhe algo tão simples como a minha presença
estúpida vida esta, que nos martiriza assim, no dia que é dela e da irmã e eu aqui, à distância da estupidez feita obrigação
hoje (visto que todos os dias seria impossível) deveria reinar o bom senso, quem sabe uma lei que permitisse a singela liberdade de usufruir dos nossos filhos, da sua companhia, da de cada criança e com eles permitirmo-nos a sê-lo também, uma outra vez, recordando quando o fomos e o que entretanto esquecemos desde então
reinasse em certos corações o sentir profundo e honesto pelo que é uma criança e tudo aquilo que ela nos suscita e estariam todos proibidos de permanecer longe de cada uma que fosse
por um instante que fosse, que estes são tão escassos, sempre fugidios e tão imensamente valiosos



publicado por migalhas às 23:28
Segunda-feira, 01 de Junho de 2009
Se há na terra um reino que nos seja familiar e ao mesmo tempo estranho, fechado nos seus limites e simultaneamente sem fronteiras, esse reino é o da infância. A esse país inocente, donde se é expulso sempre demasiado cedo, apenas se regressa em momentos privilegiados — a tais regressos se chama, às vezes, poesia. Essa espécie de terra mítica é habitada por seres de uma tão grande formosura que os anjos tiveram neles o seu modelo, e foi às crianças, como todos sabem pelos evangelhos, que foi prometido o Paraíso.
A sedução das crianças provém, antes de mais, da sua proximidade com os animais — a sua relação com o mundo não é a da utilidade, mas a do prazer. Elas não conhecem ainda os dois grandes inimigos da alma, que são, como disse Saint-Exupéry, o dinheiro e a vaidade. Estas frágeis criaturas, as únicas desde a origem destinadas à imortalidade, são também as mais vulneráveis — elas têm o peito aberto às maravilhas do mundo, mas estão sem defesa para a bestialidade humana que, apesar de tanta tecnologia de ponta, não diminui nem se extingue.
O sofrimento de uma criança é de uma ordem tão monstruosa que, frequentemente, é usado como argumento para a negação da bondade divina. Não, não há salvação para quem faça sofrer uma criança, que isto se grave indelevelmente nos vossos espíritos. O simples facto de consentirmos que milhões e milhões de crianças padeçam fome, e reguem com as suas lágrimas a terra onde terão ainda de lutar um dia pela justiça e pela liberdade, prova bem que não somos filhos de Deus.

Eugénio de Andrade, in 'Rosto Precário'


publicado por migalhas às 14:24
TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
23
25
27

28


facebook
contador
pesquisar neste blog
 
NetworkedBlogs
subscrever feeds