TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

24
Jun 08

A conversa é tanta que já nem sei.
Se fala apenas ou discursa numa retórica argumentativa da razão.
Mas qual razão? Podendo haver tantas.
A fúria passa às palavras e vomito-as num jacto de bílis sofrida, com que corrói o papel imaculado, inocente ringue, desgraçado.
A minha ira vive nelas, ganha forma gigante, atormenta e atormenta-me, pois que não as controlo.
Corto os meus dedos, mas ainda assim falo.
Arranco a língua e logo ganham vida na minha mente.
Decepar-me não as mata, apenas as perpétua noutros e noutros que nelas encontrarão resposta ao seu estado.
Consolo para cada angústia, cada sofrer igual ao meu.
Eu, eu… pára de falar em mim, de mim!
Não me quero ouvir-te!
Sumam-se da minha vista, mesmo invisíveis e, por isso, tão mais impossíveis.
São apenas palavras.
O Diabo é que são!
São tentação, calvário de que não existe salvação.
Agonizo quando me sussurram e de cada vez que apenas falam, morro.
Mas nem por isso descanso, pois que não mereço.
Eu sei que não.


publicado por migalhas às 21:25

Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO