TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

27
Mai 08

Quantas vezes contei o sol e quantas vezes ele se riu de mim?
Que a seu cobro me fiz noite onde me escondi, me esqueci e na ausência de luar que me alumiasse, tudo omiti.
E menti, nesse limbo onde me perdi.
Cercado pela sebe de arame farpado onde jazem os restos dos desencantados.
Nem uma quota parte de mim, nem água benta, nem sacrilégio, nada invejo.
O mundo olhou-me num olhar fundo e estendeu-me a sua dor.
Eu que o imaginei empedernido, sem sentido.
Ele e o sol, a rirem-se de mim.

publicado por migalhas às 13:08

07
Mai 08
O que é o mundo enquanto eu sou?
Enquanto me visto dos meus pertences e neles me banho.
Que corre a essas horas nos minutos em que se move o mundo paralelo?
Que peso têm os meus passos, lado a lado com os passos de todo o outro mundo?
O mundo que é movido a papel, os papéis que cada um interpreta, numa encenação que muda a cada virar de hora.
O teatro da dor.
De um lado a tristeza, do oposto a felicidade, patente em actos que se sucedem e à realidade sucumbem, já nem satisfeitos.

O resto do mundo é a soma dos demais, de uns e dos outros que me condicionam, se eu permitir.
Repreendo-me por repreender, sabendo que o faço para me dar a entender, assíduo em fazer prevalecer a ordem que sobre o caos se deita e não o deixa amanhecer.
E depois a revolta, a faca que se crava inquieta e revolve o espaço da ferida aberta.
Essa ferida não sara, para sempre exposta, chaga a sangue frio, nem pisado, nem coalhado.
Mesmo em dias de perfeição, daqueles em que o exemplo se olha no céu, servem-me de agasalho estes actos continuados, trasladados a cada novo dia em que me são mutilados, ao mundo expostos e por ele avaliados.
Quero-me de fora da roda, à margem dos papéis que sinto obrigação de interpretar para aos olhos do mundo este me aceitar.
Quero-me eu, singular, reflexo exacto que não se permite falsear, esta dança impune dançar e ao deitar descansado adormecer, sabendo que nada devo ao mundo senão o que lhe dou sincero, por ser único, por ser verdadeiro.
publicado por migalhas às 13:01

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO