TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

07
Dez 12

as ruas metem-me nojo

as ruas nuas, ao abandono

as valetas sem dignidade

o empedrado estagnado

as poças de água fétida

a içarem-se desta obscuridade

por entre becos frios e sem idade

 

aqui se omitem renegados e outros sem trono

a céu aberto, olhos nos olhos

sem um canto onde dormir um sono

sem um tecto a que chamar seu

andrajosos arrastam-se pela lama

que alguém lhes fez a cama

 

e o cheiro, senhores! a putrefacção

a cólica parida de uma suposta refeição

sugada a meias com formosas ratazanas

sob olhares esganados de deformadas damas

num decrépito espectáculo de reais horrores

 

ao que nós chegámos, senhores!

ao que nós chegámos

 

© Copyright Migalhas (100NEXUS_2012)

publicado por migalhas às 15:59

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO