TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

07
Dez 05
Novembro de 2005. Poderia ser mais um mês de Novembro como tantos outros já vividos ao longo desta minha singular existência. Mas para este estava reservado algo mais. Algo de verdadeiramente inédito e inesquecível. Algo a que poucos podem ambicionar: o nascimento, não de um mas, de dois filhos. Um biológico, que dificilmente serei fiel na descrição apenas por palavras, e um outro literário, na forma de romance agora editado. No espaço de poucos dias, duas realizações até então apenas sonhadas e imensamente desejadas, agora feitas realidade. Uma em casa, a adaptar-se aos primeiros contactos com o mundo e, por isso mesmo, sempre necessitada de atenções, e outra nas prateleiras e expositores das livrarias de norte a sul de Portugal. É claro que, naturalmente e de forma inequívoca, ganha supremacia e importância a Sara (nome com que se irá identificar neste mundo que agora a acolhe), por tudo aquilo de que o nascimento de um novo ser se reveste. O expoente máximo da criação. Dar vida a uma nova vida. Haverá no sentido geral de uma vida, maior feito ou empreendimento do que a concretização da continuidade da espécie? Da continuidade do legado familiar, do seu nome e historial? Penso que nada nos realizará mais do que pensar que podemos dar forma a uma nova existência, proporcionando-lhe todas as ferramentas para que se torne um adulto inesquecível aos olhos de quantos com ela vierem a privar ou simplesmente conviver. Agora finda um ciclo para se dar lugar a outro. Mais inebriante, farto em descobertas e, quem sabe, na partilha de novos sentimentos. De 27 de Novembro em diante, nada será como antes. Até ao fim dos meus dias, terei dado forma a uma nova e constante preocupação que preencherá, senão todos, grande parte dos dias que me restam. Tenha eu tempo, disponibilidade e, acima de tudo, amor e carinho capazes de a orientar na vida como uma pessoa de bem e fundamentada em bons princípios. Que o mundo tenha ganho uma amiga naquela madrugada em que se decidiu a nascer. Que sejas bem-vinda e que tenhas da vida tudo aquilo que dela desejares.
publicado por migalhas às 12:54

Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
14
17

18
24

25
28
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO