TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

08
Set 04
Quem se propõe à viagem da vida
Desconhece a odisseia que o espera
A eterna incerteza, a longa travessia
O passar do tempo, a ânsia do dia-a-dia

O incentivo da partida
Polvilhado aqui e ali por histórias de grandes feitos
depressa poderá esmorecer ou mesmo morrer
se não for encabeçado pela persistência
pela vontade irredutível do crer

Depressa o espaço se tornará apertado
E por companhia apenas a claustrofobia
Fará soar lentas as horas de espera

Num emaranhado complexo de sensações
De sentimentos antagónicos e de ilusões
Todos por igual serão iniciados
Embora no fim, na hora da verdade
Apenas os mais fortes, somente os predestinados
Sentir-se-ão iluminados e, consequentemente, guiados

Poder-se-ia dizer que tudo acaba aqui
No momento em que sabem que direcção tomar
Mas poucos são aqueles que sonham
ou podem sequer imaginar
Que só então a viagem vai começar

Com que destino?
Não nos é revelado
Cabe a cada um o seu encontrar
E no calor da descoberta
A plenos pulmões gritar:
“eu vivi e sem medo a morte abraço
porque sei ao que vim e no fim sei o que faço”
publicado por migalhas às 13:45

Setembro 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
24
25

26
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO