TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

01
Ago 05
A hora chegava. De tal forma se assumia próxima, que quase lhe sentia o odor.
É sempre intensa a espera pela serenidade do fim do dia, pela brisa fresca que me vem despojar das preocupações mundanas e à beira-mar me volta a preencher de vida.
A acompanhar esse sopro sussurrado, que me revolta o cabelo num intrépido esforço por se impor na minha face agora serena, apenas a calma ondulação. Que num vaivém compassado, quase metódico, vem beijar a areia fina e suave onde faz desaparecer cada prova da minha renovada existência.
De olhos fechados aguço o ouvido e absorto nos temas quentes afasto-me para longe deste mundo conturbado, em direcção à paz, ao sossego supremo, ao verdadeiro sentido da vida.
Sigo para parte incerta, numa viagem para a qual bilhete algum é preciso. Vou apenas. E de todas as vezes regresso, conformado, pois sei que por lá não me é permitido ficar como eu tanto queria, indeterminadamente.
publicado por migalhas às 18:38

Da próxima vez diz-me, q eu quero ir contigo, só desta vez...ana
</a>
(mailto:ana.pereira@wportugal.pt)
Anónimo a 2 de Agosto de 2005 às 11:58

Tá mt foleiro
Joana a 31 de Janeiro de 2008 às 14:01

Agosto 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

facebook