TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

14
Abr 10

ganhar, perder

felicidade, desgosto

uma mão cheia de tudo, outra de um nada arrebatador

um sorriso pela dádiva, uma lágrima pela dor

de que vale existir assim, repartido entre o tudo e o nada

coração preenchido agora e logo trespassado pela espada

como um pêndulo, cá e lá num ápice

ora aqui e ali, naquele mar morto

qual rei posto, depostas as armas numa rendição à condição

a angústia de chegar onde viagem nenhuma nos leva

que daqui nada se leva

nem ganho, nem felicidade

uma mão cheia de coisa alguma

quanto muito outra de um nada arrebatador

publicado por migalhas às 19:41

A vida é isto mesmo, meu amigo! Esta ténue fronteira entre o vazio e a plenitude! Penso que é essa a sua magia! E claro, os amigos e os jantares como aquele que vamos ter hoje! ;o)
Um abraço! By the way, excelente texto, como é hábito!
Marco a 15 de Abril de 2010 às 12:26

Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO