TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

20
Fev 09

Há uma hora atrás puro irrealismo
e há duas e há três
dissimulada certeza, uma enorme suposição na hipótese apenas avançada
de prognóstico reservado, aposta num fundo que nem perdido
tudo investido, a totalidade de mim e do mundo que me circunda, nesta incógnita forçada
sem nenhuma garantia, nem uma, que me garanta o segundo seguinte, quanto mais a hora!

Uma só hora, mas há uma hora atrás nem esboçada, toda ela estranha
olho em frente e mesmo tão perto, a abeirar-me, não lhe vislumbro um ínfimo detalhe, a mínima silhueta que me permita identificá-la de entre as que já vi(vi)
tudo omite e esconde num silêncio até de imagens
que nada adianta, a hora que se segue
nem mesmo o contador de todas, as que foram e as que serão
aquele empilhador de todas elas, que nos persegue com o seu somatório e com elas nos espicaça a seguir atrás da que vem a logo a seguir
(essa primeiro, depois as seguintes)

nem mesmo esse lhes adivinha os intentos

Somos todos sua prole, submissos seguidores de quanto nos reserve
(seja feita a sua vontade!)
sem alternativa, na impotência do que ditará no momento seguinte
eterno desconhecido, em infinitos mistérios sem pistas, há uma hora atrás
mesmo a nós, seus filhos
principalmente a nós, seus filhos
agora e na hora proibida
que antes a sorte
na que se segue a morte

publicado por migalhas às 16:50

Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

15
16
17
18
21

22
23
24
25
26
27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO