TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

11
Dez 08

Não fiz a barba.
O espelho também não se queixou, apenas me deitou aquele olhar duvidoso.
Virei-lhe as costas e segui, barba por fazer.
Na rua senti-me livre, antes livre da obrigação.
Caminho palmilhado e este com a barba que é minha e por isso não a fiz.
Não me quero longe dela, afastado apenas por que alguém o quer, que não eu.
Quem lhe perguntou a ela se quer ser cortada?
E com esse corte cortar comigo a relação que nos prende um ao outro, por raízes, tantas, que nos fazem unos.
Eu e a minha barba.
Tantas horas partilhadas, já dias, e agora perdê-la, assim, sem mais, esta minha companheira de quantas lutas.
Não a faço, ou melhor, já a fiz, em mim se perfez, antes não a desfaço, nem que me matem.
É minha, é a minha barba, como o cabelo que também é meu, e por isso com eles faço o que bem entender.
São-me parte deste todo que sou eu e em mim fazem mais sentido.
Um sentido vivo, pois que em mim vivem.
Um dia, todos.

publicado por migalhas às 16:23

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
16
17
18
20

21
22
25
26
27

28
29
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
facebook
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO