TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.

21
Dez 07

Tanta futilidade, tanta desnecessária preocupação.

Ou será apenas fachada?

Mais parece.

Olho nos olhos de quem me encara e imagino: Quem lhe sou eu? Que vê? O que reflicto, de mim transpira?

Sou assim ou igualmente falso?

Não sei, mas não me contento.

O mundo subverteu os seus valores e agora é apenas aparente ilusão.

É imagem deturpada e eu não a entendo.

Saber que para lhe sobreviver assim também terei de ser.

Não sei se consigo ou se já não sei regressar, ao meu original ser retroceder.

Este Natal consome-me e à força morre-me.

Não te imaginava assim, apenas te julgava amor de verdade.

Um dia dediquei-te o coração, hoje nem sei, choro-te, imploro-te: Volta! Regressa à pressa para os dias da minha infância e resgata-me os sonhos.

Mata o vil metal e cala a ganância!

Vive-me, vive, preenche-me de esperança.

 

publicado por migalhas às 09:20

Natais de Inverno…

a cada Natal que passa
cresce a importância do Inverno.
devolve-nos um amigo e faz de nós
amigos de todas as estações.
esvanecem-se as imagens
das raízes e dos ramos já perdidos...
dos amigos!

a música desses dias, os sons distantes
que nos aproximam mais e mais a cada ano
reflectem-se recalcando na memória
os presentes e ausentes que eu amo

votos de uma vida feliz
por muitos e melhores Natais
na companhia dos teus mais queridos

Abraços
Latitudes
Latitudes a 23 de Dezembro de 2007 às 18:56

Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
22

23
24
25
26
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO