Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

Há uma fuga furiosa

De quem preso na lama se ergue e grita

 

Há uma margem mínima

Para quem do mar se aproxima e clama

 

Quem me chama? Quem me chama?

 

Que este ar que respiro não é meu, é emprestado

Impregnado está na carne como a flor viçosa na terra

Num laço de dor, em tom de proibida cor

 

Lanço a chama e a palavra agudiza

Canto aos céus, não conto as marés

Tropeço nas letras que salpicam este manto

Entre todo este entulho onde enterro os meus pés

 

Sou ar, sou terra, sou por este mar adentro

Que o fogo é fátuo e de facto extinguível

Coração ao alto, mole, de manteiga

Sou pele, sou ossos, sou coisa sensível

 

Sou máquina ao retardador que tardiamente entende

Que o rio desagua no mar

E este meu frágil corpo na terra

Refúgio final, meu último lugar

 

inédito de migalhas (100NEXUS_2011)



publicado por migalhas às 21:55
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"A Estrada" é a história verdadeiramente comovente de uma viagem, que imagina com ousadia um futuro onde não há esperança, mas onde um pai e um filho, "cada qual o mundo inteiro do outro", se vão sustentando através do amor. Impressionante na plenitude da sua visão, esta é uma meditação inabalável sobre o pior e o melhor de que somos capazes: a destruição última, a persistência desesperada e o afecto que mantém duas pessoas vivas enfrentando a devastação total.

 

Naqueles primeiros anos, as estradas estavam cheias de refugiados amortalhados nas suas roupas. Usavam máscaras e óculos de protecção, sentados na berma com os seus andrajos no corpo, quais aviadores reduzidos à indigência. Traziam carrinhos de mão a abarrotar de bugigangas, puxavam carroças ou reboques. De olhos a brilhar no crânio. Carapaças de homens sem uma réstia de fé aos tropeções pelos viadutos, como bandos migratórios numa terra fértil. A fragilidade de todas as coisas enfim revelada. Velhos dilemas inquietantes esvaziados de sentido, dando lugar ao nada e à noite. O derradeiro exemplo de uma coisa leva consigo toda a categoria. Apaga a luz e desaparece. Olha à tua volta. Nunca é imenso tempo. Mas uma coisa o rapaz sabia. Que nunca é um breve instante.
(...)
Os dias passavam, vagarosos, sem que ninguém os contasse, os assinalasse num calendário. Lá longe, ao longo da interestadual, enormes filas de carros calcinados e cobertos de ferrugem. O metal despido das jantes mergulhado numa pasta dura e cinzenta de borracha derretida, em anéis enegrecidos de arame. Os cadáveres incinerados, mirrados até ao tamanho de crianças e apoiados nas molas nuas dos assentos. Milhares de sonhos sepultados naqueles corações reduzidos a lascas de pedra. Eles continuaram a caminhar. Palmilhavam o mundo sem vida como ratinhos numa roda. De noite, silêncio de morte e trevas sepulcrais. Tanto frio. Quase nem falavam um com o outro. Ele tossia constantemente e o rapaz ficava a vê-lo cuspir sangue. Avançavam curvados. Sujos, andrajosos, sem esperança. Ele parava e apoiava-se no carrinho e o rapaz continuava a caminhar e depois parava e olhava para trás e ele erguia os olhos lacrimejantes e via-o ali na estrada, estático, a olhá-lo de um futuro inimaginável, a cintilar naquela aridez como um tabernáculo.



publicado por migalhas às 10:23
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://www.amazon.com/Sense-Ending-Julian-Barnes/dp/0307957128%3FSubscriptionId%3DAKIAIXFKFJI6IH6DO5KQ%26tag%3Dkirkus-20%26linkCode%3Dxm2%26camp%3D2025%26creative%3D165953%26creativeASIN%3D0307957128?utm_source=Kirkus+Reviews+Newsletter+Contact+List&utm_campaign=ebb0282f49-Kirkus_Reviews_Newsletter_October_5_2011&utm_medium=email#reader_B004R1Q25K



publicado por migalhas às 18:16
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O escritor britânico Julian Barnes, quatro vezes finalista do Man Booker Prize, é desta vez o vencedor do prestigiado prémio literário, com o romance “The Sense of an Ending”, anunciou na terça-feira o júri em Londres.

Após uma reunião de apenas 31 minutos, o júri, presidido por Stella Rimington e composto por Matthew d’Ancona (escritor e jornalista), Susan Hill (escritora), Chris Mullin (político e escritor) e Gaby Wood (responsável da secção de livros do jornal Daily Telegraph), decidiu por unanimidade distinguir o romance de Julian Barnes, que será publicado em Portugal ainda este ano pela Quetzal.

A vitória do escritor de 65 anos, anteriormente selecionado pelos romances “O Papagaio de Flaubert” (1984), “Inglaterra, Inglaterra” (1998) e “Arthur & George” (2005), veio na sequência de uma das mais amargas e viperinas finais do prémio de que há memória – não entre os escritores finalistas, mas no que se refere aos comentadores, divididos, que ensombraram o processo de escolha do júri, acusando-o de colocar a popularidade acima da genuína qualidade das obras.

 

@Lusa



publicado por migalhas às 10:58
Terça-feira, 18 de Outubro de 2011

 

 

Sinopse:

«No deserto do Arizona. Um jovem realizador obcecado com uma ideia para um filme: um único plano-sequência, uma única personagem. Frente à câmara e encostado à parede (“como num assalto ou num fuzilamento”), está Richard Elster, um intelectual que, ao serviço do Pentágono, traçou a cartografia conceptual da Guerra do Iraque (“eu queria uma guerra em haiku… uma guerra em três versos”). Quando a filha de Elster entra em cena, o fio da conversa filosófica dos dois homens é abruptamente cortado e a dinâmica da história conhece uma dramática inflexão.»



publicado por migalhas às 13:55
Domingo, 16 de Outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(...) Os tempos 'tão difíceis.

As pessoas duras é que fazem os tempos difíceis. Já vi tanta ruindade nos seres humanos que nem sei porqué que Deus ainda não apagou o sol e não virou costas a este mundo. (...)

 

excerto de Nas Trevas Exteriores (Outer Dark no original, segundo romance de Cormac McCarthy publicado em 1968).



publicado por migalhas às 17:48
Sexta-feira, 14 de Outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

uns e outro

 

é gente igual, da mesma massa animal, que nasce e morre como tal

choram, riem, sentem fome, sede sentem

uns mais cedo, a cada instante, agoniante

que a morte tira à sorte de entre os que nada contam

sem terra, sem nada, desgraçado, inchado

não de barriga cheia

mas de um destino malfadado

 

que do outro lado habita a Veritas

aos sete ventos apregoada

num voto de uma outra pobreza

remediado, quase, quase sem nada

senão esta soberba com requintes de realeza

que me foi imposta, forçada

que eu nada pedi, tenho a certeza

pois sou homem santo que rezo ao senhor

para que perdoe este seu filho

este seu bastardo pecador

 

inédito de migalhas (100NEXUS_2011)

_____________________________

 

* palavrear - Conjugar

v. tr. e intr.
1. Usar de palavreado.
2. Falar muito e sem nexo.


publicado por migalhas às 14:05
Quinta-feira, 06 de Outubro de 2011

No bairro de Alfama os eléctricos amarelos cantavam nas
Subidas.
Havia duas prisões. Uma delas era para os gatunos.
Eles acenavam através das grades.
Eles gritavam. Eles queriam ser fotografados!

"Mas aqui", dizia o revisor e ria baixinho como um afectado
"aqui sentam-se os políticos". Eu vi a fachada, a fachada, a fachada
e em cima, a uma janela, um homem,
com um binóculo à frente dos olhos, espreitando
para além do mar.

A roupa pendia no azul. Os muros estavam quentes.
As moscas liam cartas microscópicas.
Seis anos depois, peguntei a uma dama de Lisboa:
Isto é real, ou fui eu que sonhei ?

Tomas Tranströmer
(Tradução por Luís Costa)



publicado por migalhas às 21:37
Quinta-feira, 06 de Outubro de 2011

PÁSSAROS MATINAIS (1966)

 

Desperto o automóvel
que tem o pára-brisas coberto de pólen.
Coloco os óculos de sol.
O canto dos pássaros escurece.

 

Enquanto isso outro homem compra um diário
na estação de comboio
junto a um grande vagão de carga
completamente vermelho de ferrugem
que cintila ao sol.

 

Não há vazios por aqui.

 

Cruza o calor da primavera um corredor frio
por onde alguém entra depressa
e conta como foi caluniado
até na Direcção.

 

Por uma parte de trás da paisagem
chega a gralha
negra e branca. Pássaro agoirento.
E o melro que se move em todas as direcções
até que tudo seja um desenho a carvão,
salvo a roupa branca na corda de estender:
um coro da Palestina:

 

Não há vazios por aqui.

 

É fantástico sentir como cresce o meu poema
enquanto me vou encolhendo
Cresce, ocupa o meu lugar.

 

Desloca-me.
Expulsa-me do ninho.
O poema está pronto.



publicado por migalhas às 13:38
Quinta-feira, 06 de Outubro de 2011

DESDE A MONTANHA (1962)

 

Estou na montanha e vejo a enseada.
Os barcos descansam sobre a superfície do verão.
«Somos sonâmbulos. Luas vagabundas.»
Isso dizem as velas brancas.

 

«Deslizamos por uma casa adormecida.
Abrimos as portas lentamente.
Assomamo-nos à liberdade.»
Isso dizem as velas brancas.

 

Um dia vi navegar os desejos do mundo.
Todos, no mesmo rumo – uma só frota.
«Agora estamos dispersos. Séquito de ninguém.»
Isso dizem as velas brancas.



publicado por migalhas às 13:36
TUDO É ILUSÃO, DESDE O QUE PENSAMOS QUE PODEMOS AO QUE JULGAMOS QUE TEMOS.
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

17
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30


facebook
contador
pesquisar neste blog
 
NetworkedBlogs
subscrever feeds